Arquivos | TEXTOS PARA SEREM USADOS EM ATPC Feed RSS para esta seção

Ninguém é insubstituível…

25 jul

Na sala de reunião de uma multinacional o CEO nervoso fala com sua equipe de gestores. Agita as mãos mostra gráficos e olhando nos olhos de cada um ameaça: “ninguém é insubstituível” . A frase parece ecoar nas paredes da sala de reunião em meio ao silêncio. Os gestores se entreolham, alguns abaixam a cabeça. Ninguém ousa falar nada.De repente um braço se levanta e o CEO se prepara para triturar o atrevido:- Alguma pergunta?- Tenho sim. E o Beethoven?

- Como? – o CEO encara o gestor confuso.

- O senhor disse que ninguém é insubstituível e quem substitui o Beethoven?

Silêncio.

Ouvi essa estória esses dias contada por um profissional que conheço e achei muito pertinente falar sobre isso. Afinal as empresas falam em descobrir talentos, reter talentos, mas, no fundo continuam achando que os profissionais são peças dentro da organização e que quando sai um é só encontrar outro para por no lugar.

Quem substitui Beethoven? Tom Jobim? Ayrton Senna? Ghandi? Frank Sinatra? Dorival Caymmi? Garrincha? Michael Phelps? Santos Dumont? Monteiro Lobato? Faria Lima ? Elvis Presley? Os Beatles? Jorge Amado? Paul Newman? Tiger Woods? Albert Einstein? Picasso? Van Gogh,? Tarsila do Amaral ?, Jorge Amado? Enfim, são tantos talentos insubstituíveis!!!

Todos esses talentos marcaram a História fazendo o que gostam e o que sabem fazer bem – ou seja – fizeram seu talento brilhar. E portanto são sim, insubstituíveis.

Cada ser humano tem sua contribuição a dar e seu talento direcionado para alguma coisa. Está na hora dos líderes das organizações reverem seus conceitos e começarem a pensar em como desenvolver o talento da sua equipe focando no brilho de seus pontos fortes e não utilizando energia em reparar “seus gaps”.

Ninguém lembra e nem quer saber se Beethoven era surdo, se Picasso era instável, se Vincent van Gogh era depressivo, Caymmi preguiçoso, Kennedy egocêntrico, Elvis paranoico.

O que queremos é sentir o prazer produzido pelas sinfonias, obras de arte, discursos memoráveis e melodias inesquecíveis, resultado de seus talentos.

Cabe aos líderes de sua organização mudar o olhar sobre a equipe e voltar seus esforços em descobrir os pontos fortes de cada membro. Fazer brilhar o talento de cada um em prol do sucesso de seu projeto. Que no nosso caso é ter uma educação de qualidade para todos.

Se você ainda está focado em “melhorar as fraquezas” em vez de valorizar os pontos fortes, se  somente sabe fazer críticas em vez de  elogiar o desempenho de sua equipe corre o risco de ser aquele tipo de líder que barraria Garrincha por ter as pernas tortas, Albert Einstein por ter notas baixas na escola, Beethoven por ser surdo, Vincent van Gogh por ser depressivo e suicida e Gisele Bundchen por ter nariz grande.

E na sua gestão o mundo teria perdido todos esses talentos???

Avaliação Sócio-afetiva: Autoridade x Autoritarismo

22 jul

ImagemMandar os alunos para a diretoria pode parecer a principio a melhor solução. O caminho sugerido por especialista na área sugere outro: dialogar sempre, ouvindo as partes e demonstrando respeito pelos valores de cada um.  Quando o professor coloca o aluno pra fora ele está deixando de exercer sua autoridade. O aluno não difere em nada dos nossos filhos no quesito, ” querer chamar atenção”. Quando um filho faz algo que não combina com as regras estabelecidas por você, o que você faz? O coloca pra fora de casa, encaminha para os avós, chama a polícia?  Não! Você como bom pai ou boa mãe, vai falar com autoridade, olhando nos olhos dele, dizer onde errou e porque vai receber a punição imposta por você. (Que na maioria das vezes é tirar algo que ele gosta de fazer, tais como: jogar videogame, ficar sem jogar bola com os amigos, não dar dinheiro pra fazer um passeio que estava programado, ficar sem assistir a televisão por algumas horas etc.)  Esse é o preço que seu filho vai pagar por ter quebrado as regras e não ter respeitado sua autoridade. Ao deixar de exercer sua autoridade, o aluno perde o respeito por você. Lembre-se que na sala de aula, a autoridade é você. Quando um aluno é colocado com muita frequência pra fora, ele vai continuar sendo indisciplinado, porque  ficar fora da sala de aula sem fazer nada,  é o que ele quer. E quanto mais ele ficar sem fazer as atividades ou deixa de ouvir as explicações do professor sobre o conteúdo proposto, enquanto estava fora da sala de aula, menos ele aprende e mais desmotivado pra estar naquela disciplina ele fica. Então ele vai fazer qualquer coisa pra ser colocado pra fora da sala novamente. Cria-se um círculo vicioso. A direção pouco pode fazer nesses casos, principalmente porque a maioria desses alunos os pais são ausentes em sua educação e na escola. Convocados poucos aparecem e na maioria das vezes alguns pais são piores que os filhos no quesito educação e respeito.  E esse aluno sabe disso. Todo filho sabe o pai e mãe que tem… A maioria dessas crianças que você professor coloca pra fora, já são marginalizados em sua casa, na rua, na sociedade.  O professor tem que ter um novo olhar pra esse aluno problema e perceber que,  mais que tudo , o que ele quer é também quer chamar sua atenção.  Ele talvez está te enviando uma mensagem, ‘ Olha pra mim, me ajude! Eu não estou feliz!.  Ele não diz, mas na maioria das vezes está implícito em suas atitudes.  Como o filho mais velho, que tem ciúmes do irmão mais novo,  que é o centro das atenções da família, o queridinho(a) do papai e da mamãe.  Então o que ele faz? Começa a bater no irmão menor, a destruir seus brinquedos, comer o alimento que estava separado para ele… pra que você note que ele também faz parte da família.  Aluno também quer carinho atenção e  respeito. Assim como você professor quer e merece ser respeitado. Professor tem que ter muito cuidado com o que fala e como se dirigir ao aluno.  Ainda acredito muito nas três “palavrinhas mágicas”,” por favor”, “licença” e “obrigado”.  Procure detectar as dificuldades de aprendizagem do seu aluno.  Enquanto educadora em uma escola de periferia em Leme eu  dava aulas de reforço de matemática. Lá no fundo da sala percebi um aluno apático, que não desenvolvia as atividades. Não era indisciplinado. Somente ficava lá no fundo quietinho e não se socializava com as outras crianças, não se sentava em nenhum grupo pra resolver as atividades. Então eu me sentei ao lado dele e perguntei qual era sua dificuldade em relação as atividades proposta e porque não estava resolvendo as questões. Deixei claro que estava ali se ele precisasse de mim.  Naquele dia não obtive nenhuma resposta, nenhum olhar, nenhum sorriso. Era como se estivesse falando com as paredes.  Procurei informações a respeito desse aluno com outros colegas professores da sala de aula dele. Descobri que esse aluno tinha dificuldades pra ler.  Que ele lia de “soquinho”, parando no meio da frase. Como eu estava dando problemas com fração, quando ele chegava no final da leitura do problema, não sabia interpretá-lo.  No dia seguinte levei um gibi do meu filho e me sentei ao lado dele e comecei a ler a historinha do gibi. Não preciso dizer que naquele dia foi aula de leitura. Os outros alunos vendo o Francisco sorrir, foram se chegando e se sentando a minha volta. Animada com aquele sorriso, no dia seguinte levei três livros  sobre  abelhas, que explicava como funcionava a colmeia e a  comunidade delas. Uma história que sempre me fascinou.  Deu o sinal e eu não havia terminado o terceiro livro. Olhei pra ele e perguntei se gostaria de levar pra casa pra terminar de ler. Disse que no dia seguinte teria que me contar o final da história, porque também estava curiosa pra saber como terminava. Pra minha surpresa o aluno Francisco havia lido duas páginas do livro, no outro dia mais três e em menos de quatro dias havia terminado o livro. Quis outros. E outros,  e mais outros. E no final descobriu-se que era também ótimo em matemática ficando entre os primeiros alunos da sala nesse conteúdo e em português, no final do ano.  É desse tipo de avaliação diagnóstica que estou falando. Interprete o que não está escrito, como bom educador que é. Para ser um bom professor primeiramente você deve amar seus alunos, acima dos méritos de sua profissão. Não seja aquele professor firmado no cargo, autoritário que para ser respeitado se opõem as críticas e dúvidas do aluno. Seja humilde, aprenda a aprender, afinal não somos os detentores do saber apenas conduzimos o aluno de maneira mais rápida a ele.  O bom professor dá uma boa aula não porque recebe um bom salário, ou porque é valorizado e reconhecido, mas porque tem consciência de sua importância na formação do educando que está sob sua responsabilidade enquanto educador.. A motivação do bom profissional vem da consciência de sua importância na vida das pessoas. (Lucinharib)

Mais Educar...

Brincar não é perder tempo, é ganhá-lo. É triste ter meninos sem escola, mas mais triste é vê-los enfileirados em salas sem ar, com exercícios estéreis, sem valor para a formação humana. Carlos Drummond de Andrade

Bueno

A stylish and fun WordPress.com theme

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.